LUÍS GOMES COMPLETA UM ANO SEM ÁGUA NAS TORNEIRAS

BANNER torneira

O colapso no sistema de abastecimento teve início em outubro de 2011, quando secou o açude Dona Lulu Pinto, principal manancial do município, deixando a população à mercê de carros-pipa, num cenário de caos mantido por vários meses.

Para minimizar os efeitos do desabastecimento, uma ação que envolve os governos federal, estadual e municipal disponibiliza cerca de 300 mil litros de água tratada por dia para atender à demanda da cidade.

Esse contingente recebe o reforço de carros particulares que atendem as residências por um preço médio de R$ 20,00, para abastecer uma caixa d’água com capacidade para mil litros. A água é transportada em caminhões-pipa que viajam mais de 100km no período diurno e noturno, alimentando os pontos de apoio que suprem as necessidades básicas de aproximadamente 2 mil lares

Atualmente, as cisternas comunitárias espalhadas pela cidade mantêm abastecimento regular, o que reduziu as filas que antes geravam confusões entre os moradores da cidade oestana.  Segundo moradores do município serrano, passado o momento mais crítico, moradores das zonas urbana e rural convivem e se adaptam naturalmente a um dos mais longos períodos de estiagem que atinge a região.

De acordo com o secretário do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos, Gilberto Jales, que no último mês de setembro visitou o canteiro de obras juntamente com o diretor-presidente da Caern, Yuri Tasso, a cidade de Luís Gomes e outras que compõem o sistema adutor Alto Oeste receberão água até o final deste ano.

Fonte: http://omossoroense.uol.com.br

Clique aqui também…http://www.luisgomesrn.com/portal/modules/news/article.php?storyid=978